Políticia

Cat-2

Paraíba

Brasil

» » Após negar privatização, RC rechaça tese de municipalizar a Cagepa: 'pode prejudicar a Paraíba'















“Político que quer municipalizar a Cagepa já está dizendo que pouco se importa com o resto da Paraíba”. A declaração é do governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), que durante entrevista ao programa Fala Governador, na Rádio Tabajara FM, nesta segunda-feira (29), rechaçou a possibilidade de municípios com João Pessoa e Campina Grande cogitarem municipalizar os serviços de abastecimento.

A Paraíba, conforme o governador, atualmente, conta com 117 municípios que sofrem com a seca. Desses, 34 estão em colapso total, já que não existe água e também não há como a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba abastecer.

“O Estado vivencia sua pior seca dos últimos 100 anos. É algo que se reflete no abastecimento dos municípios. Talvez pouca gente saiba, mas a Paraíba tem 34 cidades em que o abastecimento entrou em colapso, não tem agua, não tem como a Cagepa abastecer. Em racionamento são 83, daí são 117 cidades que estão nessa situação. Apenas 80 municípios da Paraíba estão em abastecimento normal e um está em alerta. Isso significa dizer que a Cagepa, se não for bem gerida, se não tiver a condição de cobrar aquilo que lhe é devido, de fazer o correto planejamento das águas, de tratar bem as aguas que existem, a gente já teria tido problemas gravíssimos que inviabilizariam a empresa”, disse.

Coutinho lembrou que quando 34 cidades estão sem água, significa também dizer que não está sendo cobrada tarifa a população, todavia os custos com pessoal e manutenção de equipamento continuam.

“O gasto permanece, mas a arrecadação vai a zero. É um problema grave mas tenho confiança na nossa gestão, na condução da Cagepa enquanto empresa pública, sou contra essa história de municipalização, já era contra quando fui prefeito, porque é só olhar para o próprio umbigo. Um político que vem com uma conversa dessa, na verdade o que ele está dizendo é que pouco se importa com o resto da Paraíba, porque 95% dos municípios abastecidos pela Cagepa necessita do superávit que essas duas cidades, João Pessoa e Campina Grande dão para poder fazer o subsídio cruzado e tratar o abastecimento como sistema único de disposição de água, não como algo isoladamente”, explicou.

Para o governador, nem se quisessem, João Pessoa e Campina Grande poderiam dizer que a água que abastece as duas cidades lhes pertence, já que, por exemplo, a abastecimento do Compartimento da Borborema vem do açude Boqueirão e todo o investimento que foi realizado pertence ao Estado e não ao município.

“Nada pertence ao município, e João Pessoa incorre no mesmo caso. É por isso que defendo tanto a Cagepa, defendo tanto que a Cagepa passe por um processo de diminuição de custos em função da crise, mas também em função de que nós possamos ter uma empresa permanentemente com superávit, e isso é possível e é necessário para que a empresa continue a existir”, arrematou.

«
Próxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Sobre Jacy Mendonça

Filho de Santa Rita, radialista do programa Jornal 100.5 Notícias na 100.5 FM.

Nenhum comentário

Leave a Reply

Caderno de Esporte

Entretenimento

Mundo

Cat-5

Cat-6